SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Informações estratégicas para sua empresa crescer.

Moda

Imagem de título do setor Moda
10 de agosto de 2018

Da beleza das biojoias ao inusitado ketchup, a banana reina em Corupá

A artesã Carmen Hreczuck explica que a parte da fibra é feita artesanalmente, por meio de uma parceria com agricultoras de Corupá e Jaraguá do Sul.

biojoias banana

Corupá deu início à programação voltada para o Dia da Banana com o 7º Workshop Catarinense de Indicações Geográficas, 6ª Mostra de Produtos Tradicionais e 2º Corupart.

Na tarde desta quarta-feira (8), especialistas de diversas partes do mundo, autoridades, produtores e convidados estiveram no Seminário Sagrado Coração de Jesus para acompanhar os eventos.

Além de palestras técnicas, os participantes puderam conferir uma variedade de artigos artesanais, muitos utilizando a banana, principal matéria-prima produzida no município.

Mas, nem só da polpa e da casca da fruta se formam os produtos. Do tronco, antes descartado, sai a fibra, matéria-prima para diversos objetos, inclusive as biojoias.

A Nanica Chic é uma marca jaraguaense com foco na sustentabilidade. A empresa, incubada no JaraguaTec Centro de Inovações Tecnológicas, fez da fibra da banana um elemento de destaque nas peças que produz. As biojoias estão expostas na feira de produtos artesanais e logo chamam atenção pelo colorido e variedade.

A artesã Carmen Hreczuck explica que a parte da fibra é feita artesanalmente, por meio de uma parceria com agricultoras de Corupá e Jaraguá do Sul. A fibra é cortada manualmente, sendo retirada do caule da bananeira, com faca de cozinha.

Depois, é tratada para se preservar. As cordas, por mais finas que sejam, também são feitas manualmente. O metal utilizado é banhado com 3 microgramas em ouro. Por último, Carmen cria as peças, onde coloca outros materiais para agregar mais valor, como pérolas e pedras.

Ela conta que o trabalho surgiu dentro do IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina) enquanto cursava Moda. Com o apoio de professores, começou o negócio do zero e hoje viaja o Brasil inteiro vendendo as peças que desenvolve.

O empreendimento tem mais de cinco anos e, de acordo com Carmen, também contou com o apoio da Asbanco (Associação dos bananicultores de Corupá).

Confira a notícia na íntegra no site OCP News.

Imagem: Da assessoria

Fonte:
OCP News
Autor:
Ana Paula Gonçalves
Publicado em:
9 de agosto de 2018

Você também vai gostar de ler